sábado, 17 de setembro de 2011

Quase dois anos de Canadá

Quem diria (eu com certeza), já faz praticamente dois anos que estamos no Canadá. Saímos do Brasil no dia 20 de setembro ("o precursor da liberdade"). Eu ainda não voltei ao Brasil e a Mari foi uma vez. Estamos com planos de ir em Novembro para o casamento de minha cunhada.

Finalmente deixamos de pagar aluguel e afundamos em um mortgage. Foi até engraçado escolher o banco e o mortage. Tínhamos conta no RBC e estávamos até satisfeitos com as taxas deles. Conversando com o nosso realtor, ele nos sugeriu um amigo deles que trabalha com o TD. O atendimento do TD foi excepcional e com taxas melhores. Então algo que nunca fazemos acabou acontecendo. Ao ligar pro RBC e falar que pegaríamos o financiamento com o TD, a moça nos ofereceu uma taxa melhor do que tinha oferecido antes, igualando com a do TD. Ficamos satisfeitos, assim teríamos todas nossas contas em um banco só. Ligamos de volta pro TD e o mortgage specialist ficou bastante impressionado e perguntou o porque estávamos voltando pro RBC e dissemos que eram as taxas. Ele nos prometeu taxas melhores então. Dito e feito, nos ligou de volta, em questão de horas com taxas melhores ainda do que o RBC. Ligamos novamente pro RBC pra contar que ficaríamos com o TD, eles chegaram a igualar a taxa, mas então fui pesquisar sobre o TD e por terem feito um atendimento que sempre ia além, sem só igualar, trocamos de banco! Todas nossas contas, cartão de crédito, mortgage foram transferidos de banco. Ficamos extremamente surpresos com o atendimento deles (a presteza e agilidade).

Nesse meio tempo desde a última atualização do blog, minha irmã veio e ficou uns 3 meses, meus pais vieram e ficaram uns 20 dias. Passeamos nas Rocky Mountains (Jasper, Banff, Lake Louise), aproveitamos e estendemos a visita até Vancouver e Victoria. Fizemos uma parada em Kamloops e outra em Kelowna.

Ainda enquanto meus pais estavam aqui, já na última semana, na quarta pela manhã abro meus emails e vejo um de uma recrutadora me falando de uma vaga pra desenvolvimento para dispositivos móveis, que por sinal é uma de minhas paixões. Imediatamente respondi dizendo que tinha interesse sim. Nem 10 minutos depois de enviar o email ela me ligou e pediu pra marcar uma entrevista pessoalmente e perguntou se podia ser naquela tarde. Assim, as duas da tarde fui para a entrevista. Falei sobre minha situação, de que desde que cheguei no Canada ainda estava à procura de um emprego na área de desenvolvimento de software e que o desenvolvimento pra dispositivos móveis era algo que eu gostava muito apesar de só ter tido uma experiência com isso lá nos idos de 2006. Ela falou sobre a empresa, que era um ambiente bem casual e descontraído, com horários flexíveis. A grande vantagem pro meu lado é que eles não achavam ninguém no mercado para aquela vaga. Ela falaria de mim pra eles e se eles se interessassem entraria em contato de novo. Eu não fiquei com muitas esperanças, por conta das outras vezes que nunca tinha dado em nada, mas com uma vontade muito grande de que essa desse. Eis que ao chegar em casa, 1 hora depois da entrevista, recebo outra ligação da recrutadora; eles queriam me entrevistar e era para aquela sexta as 10h. Fiquei muito animado, revisei termos e vi novidades da área, estudei meu resume, escrevi respostas para aquelas perguntas padrão, do tipo "quais seus pontos fracos", "me fale sobre você", "onde você se vê daqui a 5 anos", tudo na ponta da língua. Sexta de manhã fui lá e enquanto esperava na recepção várias pessoas passaram por mim, muitas dessas usando bermuda, camiseta e sandália. Eu adorei aquilo e já me imaginava trabalhando ali. Na hora marcada o Controller da empresa veio me buscar e levar pra sala de reuniões. Ele usava bermuda, camiseta e sandália. Estavam também o vice-presidente (de bermuda, camiseta e chinelo - daqueles tipo Raider) e o diretor de TI (que usava jeans, camiseta e tênis All-Star). Foi uma conversa super descontraída de aproximadamente uma hora. Falamos da minha experiência com dispositivos móveis, sobre o ambiente de trabalho que eu gosto de trabalhar, se eu preferia em time ou individual, sobre pretensão salarial, enfim coisas normais de uma entrevista mas em um clima bem descontraído. Saí dali com uma boa impressão e ansioso. Naquela mesma tarde recebi por email uma oferta de emprego, com o salário que eu tinha pedido! Resumindo a história, voltei a trabalhar na minha área, na parte que eu mais gosto, com um aumento de salário e um ambiente super legal.

No último final de semana (9 de setembro), recebi por email um alerta vermelho para aurora boreal e o melhor de tudo é que estava um céu límpido. Naquela noite eu tinha certeza que veria e fotografaria a aurora boreal, já que nas outras eu só consegui ver. Preparei minha câmera e saí de carro em direção ao norte, passei um pouco de Morinville, fui andando pela estrada até achar uma estrada secundária que fosse mais escuro e me fui por ali. Depois olhando no mapa vi que tinha um lago bem ao meu lado. Eu não vi nada, não tinha uma luz artificial por ali, a não ser no horizonte, mas que em mim não iluminavam nada. Fiz algumas fotos, pena que ficaram um pouco desfocadas, mas digo que mesmo que estivessem bem focadas, não há foto que descreva o que eu vi naquela noite. É MUITO lindo de se ver. Em um dado momento, aquelas luzes estavam dançando no céu sobre minha cabeça e tinham desde um tom violeta até o verde, que iam se estendo em direção ao horizonte. Muito bonito mesmo.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

1 ano e pouco de Canadá

Me bateu a louca e resolvi olhar de volta pra esse blog. Vi que tinha um post não publicado, "1 ano de Canada". Eu estava escrevendo ele mas não sei porque não terminei.

A nossa vida por aqui entrou bastante na rotina, o que de certa forma tem sido bom. Mas não nos acomodamos, pois sabemos que ainda temos bastante coisas pra conquistar.

Nesse pouco mais de 1 ano, conseguimos empregos, não tão bons quanto sabemos que podem ser; conseguimos comprar carro; estamos pensando em nos mudar pra um lugar próprio e deixar de pagar aluguel; estamos estudando pra conseguir nos qualificarmos melhor profissionalmente.

Recebemos visita dos pais da Mari e foi muito legal. Fizemos uma viagem pelas montanhas, saímos de Edmonton, fomos a Jasper, descemos a Banff, voltamos por Calgary até Edmonton. Nesse tempo em que eles estiveram por aqui, a Dollarama faturou bastante, ainda mais que outros pais de amigos nossos fizeram o mesmo; é o Efeito Dollarama que toma conta do pessoal, tem que se fazer um estudo sobre isso.

Também tivemos episódios ruins nesse meio tempo. A cachorrinha dos pais da Mari, a Mag, morreu e sei que foi bastante doloroso pra Mari estar aqui, longe da bichinha nos últimos momentos. Ela gostava bastante dela.

Perspectivas: melhorar. Minha irmã está planejando vir e passar uns meses aqui conosco. Ela quer estudar Inglês e viajar. Meus pais também pretendem vir e nisso faremos mais viagens!

Sempre nos questionam quando vamos voltar a morar no Brasil. Digo que no momento não sei e não temos previsão. Morar aqui tem sido bem diferente do Brasil e pelo que lemos da vida por lá, não dá saudade de viver daquele jeito. Temos bastante saudade das pessoas, familiares e amigos, até de comidas temos desejos. Mas acho que visitar e curtir bons momentos juntos é o suficiente pra eliminar a saudade por um tempo, até o momento de visitar novamente.

Bom, feliz aniversário pra mim e pra Mari! Hoje estamos fazendo 4 anos de casados, com previsão de muitos outros pela frente! Passamos por bastante coisas juntos, boas e ruins. Nos mudarmos pro Canadá fez com que aprendessemos a sermos mais tolerantes e conversarmos mais. Tem sido muito bom ter a Mari ao meu lado, sei que sem ela passar por tudo o que passamos teria sido bem mais difícil. Mari, obrigado por estar comigo, me apoiar e até por me fazer ver as coisas de um jeito diferente. Te amo!

Bom, feitas as atualizações das notícias do lado de cá, um abraço a todos.

sábado, 27 de março de 2010

Presente de aniversário

Claro que não poderia ser diferente, já deu pra perceber que esse tem sido o nosso ritmo, só passamos aqui pra contar as novidades e mesmo assim isso pode demorar até uns 3 meses.

Notei que nesses últimos 3 meses, trabalhando diariamente com canadenses e sendo obrigado a falar Inglês o dia todo, tive uma boa melhora na compreensão e vocabulário. Foi ótimo não estar trabalhando como desenvolvedor de software, que era o que eu fazia antes. O fato de eu trabalhar numa "oficina", furando gabinetes de aço, carregando caixas pra cima e pra baixo, montando pedaços de fio para ligar os equipamentos elétricos não me permitiam ficar o dia trancado em um cubículo com fones de ouvido curtindo alguma música que eu goste. Eu passei os dias inteiros conversando sobre os mais diversos assuntos, os meus colegas se demonstraram bastante interessados em saber sobre mim, sobre o Brasil, minha cultura e tudo o mais. Foi ótimo ter que explicar esse tipo de coisa pra eles, tendo situações em que me dava um branco e uma dificuldade enorme por faltar palavras pra tentar explicar coisas do meu dia-a-dia no Brasil. Ainda foi ótimo pois pude conhecer bastante sobre a cultura deles aqui, aprendi gírias e expressões além de treinar bastante o meu ouvido.

Quanto ao presente de aniversário, consegui um emprego permanente. Começo a trabalhar no dia 1º de abril de 2010, nessa mesma empresa na área de atendimento ao cliente. Basicamente estarei em contato com os clientes, via telefone e as vezes até mesmo viajando para suas fábricas. Vai ser ótimo para melhorar ainda mais o Inglês. Também vai ser bom pra dar uma viajada já que eles tem clientes nos EUA e no México.

Já a vida no dia-a-dia entrou bastante na rotina. Durante a semana é trabalhar e dormir de noite, com alguma exceções uma janta com amigos. Também quase não temos saído, nem pra ir no cinema que é algo que gostamos bastante, espero que agora com as coisas mais estabilizadas voltemos a aproveitar. Bom, pra compensar a rotina da semana, os finais de semana têm sido bastante movimentados. Quase todos finais de semana temos alguma janta ou churrasco com amigos, sem contar que a Mari trabalha final de semana sim outro não, então nesses que ela trabalha eu acompanho e vou dirigindo pra ela e com isso damos uma passeada pela cidade.

Estamos bastante adaptados a vida aqui e até então estamos gostando bastante. Tem sido bom ainda o fato de conseguirmos descobrir coisas novas ao longo dos dias. Uma pena é a saudade que começa a bater. Saudade da família e amigos no Brasil, bem como aqueles momentos em que era fácil se encontrar. Bom, com isso, planos de viajar começam a ser feitos. Algumas pessoas vêm outras vão. Vamos ver como que a coisa se ajeita pra nos encontrarmos ao longo do ano e matar um pouco dessa saudade.

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Fim de ano com chave de ouro

Finalmente depois de 3 meses que completamos no dia 22 de dezembro, depois de 4 meses sem trabalhar, consegui um emprego aqui no Canada. Na semana passada um amigo me repassou um e-mail da empresa dele sobre uma oportunidade temporária pra trabalhar como ajudante na parte de montagem de computadores. Logo enviei meu currículo e carta de apresentação. Nesta segunda-feira a empresa entrou em contato comigo, na terça-feira de manhã fiz a entrevista e ontem então no final do dia me ligaram pra fazer uma oferta, que prontamente aceitei.

Sei que não é exatamente na minha área, com a experiência que eu tenho, muito menos no nível que eu tinha no Brasil. Esta é uma vaga pra alguém que esteja iniciando como júnior na empresa. No meu caso aceitei, pois entre ficar em casa sem fazer nada nem ganhando nada, prefiro estar lá, conhecendo pessoas, fazendo minha rede de contatos, ganhando uma "experiência canadense" e claro ganhando um dinheiro.

Ainda pra aumentar a alegria, neste final de semana que passou, dia 19, fiz a prova pra tirar a carteira de motorista, a prova advanced e passei. Agora podemos comprar um carro, posso ser tutor para quem esteja aprendendo e o melhor de tudo é que vamos poder dar umas passeadas pela cidade, pela região, conhecer outras cidades. Isso vai ser muito bom pra gente. Estávamos um pouco chateados de ficar só aqui em Edmonton e sem ter uma liberdade maior pra ir e vir.

Incrível como tudo vai se ajeitando, parece que agora a vida voltou a engrenar. Já vamos aproveitar este sábado que tem boxing day pra comprar algumas coisas pra casa que estávamos só nos segurando.

E justamente pra fechar com a chave de ouro, hoje temos uma ceia de natal com amigos, depois passaremos uns dias em Calgary e ano-novo em Banff. Inicio o trabalho no dia 4 de janeiro com "direito" a essa semana de férias, com a cabeça bem mais tranquila e sem muito medo de estar gastando nossas reservas.

E a vida recomeça!

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Good news!!!!!!!! boa notícia!!!

Bom, então finalmente estou feliz por contar uma boa notícia neste blog!
Dia 30 de novembro fui em minha primeira entrevista aqui em Edmonton, e no dia 1 de dezembro eu fui em outra entrevista.
No dia 9 de dezembro já fui contratada pelo lugar onde fiz a primeira entrevista :)
Vou ser Health Care Aide e trabalhar fazendo Home care, ou seja vou fazer "visitas domiciliares".
E é isso!
vou indo porque estou cansada e tenho que trabalhar amanhã.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Tomando tombo e se levantando

Enfim, lá se vai Novembro.

A Mari refez a prova teórica para carteira de motorista na segunda-feira seguinte em que fizemos a primeira vez. Nessa segunda vez ela foi super bem e como já foi mais confiante, tudo ficou mais fácil. Agora estamos recebendo uma ajuda de nossos amigos aqui para praticar com o carro deles e dia 5 de dezembro já faremos a prova prática, assim teremos a carteira final. Espero que não neve muito até lá, para não acumular neve e gelo nas ruas.

Nesse final de semana que se passou aproveitamos para esquiar. Foi nossa primeira vez aqui e a minha primeira na vida. A Mari já tinha esquiado uma vez que morou nos EUA. Sorte dela, por conta disso não levou nenhum tombo, já eu estou todo dolorido.
Logo ao entrar na esteira que leva à parte de cima da colina eu levei um belo tombo. Não sabia como entrar na esteira com os esquis e fiz parecido como se fosse uma escada rolante. Apoiei um pé na esteira e deixei o outro pra trás, quando fui puxar este outro, perdi o equilíbrio e fiz todo mundo ficar esperando até que eu conseguisse me levantar, o que não é simples!

Depois de bastante esforço e finalmente pela primeira vez lá em cima, me senti bastante confiante e comecei a descer. Logo de cara já queria descer fazendo curvinhas, como eu patinei por um bom tempo por algum motivo não muito claro fiz alguns movimentos parecidos com a patinação, só que de forma alguma se aplicam para esquis! Moral, levei outro belo tombo. Pra piorar tudo, a pista não estava muito fofa, estava mais parecida com um picolé liso do que um monte de neve. A queda era dura. Depois disso ainda desci várias outras vezes e tomei vários outros tombos. Cheguei a descer um morro bem mais inclinado do que o primeiro, só que nesse eu senti BEM mais dificuldades e fui praticamente parando, acho que já estava traumatizado com os tombos.

Algumas fotos da minha primeira queda e da primeira descida estão aqui.

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Carteira de motorista em Alberta

Hoje fomos fazer a prova no computador para tirar a carteira de motorista estudante. Na semana passada fizemos a tradução da nossa carteira de motorista do Brasil e assim pudemos pular a restrição de tempo de espera até que se possa realizar a prova para a carteira definitiva, caso contrário teríamos que esperar um ano.

A prova foi relativamente fácil. Havíamos estudado bastante em uma prova simulada que achamos na Internet. Claro que não era exatamente esta prova e as questões eram formuladas de forma diferente. No total eram 30 questões e podia errar 5. Durante a prova tinha um botão para deixar alguma questão para depois, com isso se estivéssemos em dúvida sobre uma questão era melhor tentar outras e se ao final ainda não tivesse atingido a quantidade mínima necessária as questões puladas reapareceriam.

A Mari foi por primeiro e infelizmente errou mais de 5 questões e assim a prova já terminou quando errou a sexta questão. Depois dela fui eu e ao longo da prova pulei umas 5 questões. Na questão 25 eu errei a resposta e então a questão 26 era uma das que eu tinha pulado. Chutei a resposta e acertei. Nisso a prova se acabou e pude fazer o resto dos exames. Assinei diversos documentos, entreguei a tradução da carteira de motorista do Brasil, a carteira original, fiz um exame de visão e tiraram a minha foto. Em duas semanas me disseram que terei a carteira provisória e já poderei fazer a prova para tirar a carteira definitiva, pois por enquanto somente tenho um comprovante que passei nessa prova.